Instituto Catitu

O Instituto Catitu – Aldeia em Cena é uma associação sem fins lucrativos qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que propõe aos povos indígenas novas possibilidades de expressão, transmissão e compartilhamento de suas visões de mundo e de seus conhecimentos. Criado em junho de 2009, o Instituto Catitu iniciou suas atividades a partir da experiência adquirida por seus fundadores ao longo dos últimos 20 anos em projetos culturais e ambientais com as comunidades indígenas. Destaca-se a formação audiovisual para povos indígenas, que resultou na produção de aproximadamente 30 filmes – que conquistaram novos públicos e inúmeros prêmios Brasil afora. O Instituto Catitu apóia-se no êxito coletivo desta experiência e nas relações humanas e profissionais construídas com as comunidades indígenas e com seus diversos parceiros ao longo dessa trajetória para desenvolver novos projetos e aprimorar sua atuação.

APOIO

O Instituto Catitu conta com o apoio institucional da Embaixada da Noruega, que garante sua estrutura de funcionamento e a equipe permanente, fundamentais para o desenvolvimento e realização de seus principais projetos.

MISSÃO

Contribuir com o fortalecimento das culturas indígenas e a defesa de seus direitos por meio do uso de novas tecnologias como ferramentas para expressar, transmitir e compartilhar conhecimentos, a partir de suas próprias visões de mundo.

LINHAS DE ATUAÇÃO

  • fomentar ações que estimulem e ampliem o protagonismo indígena, especialmente o das mulheres;
  • promover a circulação e o compartilhamento de novas formas de autorrepresentação nos espaços da sociedade não indígena;
  • estimular o diálogo entre povos integrando redes que permitam ampliar a cooperação e a troca de experiências.

AÇÕES

  • formação audiovisual e multimídia;
  • produção de filmes de autoria indígena;
  • criação de centros de documentação digital nas aldeias reunindo o acervo cultural das comunidades;
  • iniciação digital;
  • intercâmbios entre comunidades indígenas e outros povos tradicionais.

PARCEIROS

  • Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-AC)
  • Associação Indígena Kaxinawa do Rio Humaitá
  • Associação Indígena Moygu Comunidade Ikpeng (AIMCI)
  • Associação Indígena Kisêdjê
  • Comunidade Indígena Kwaruja
  • Associação Yamurikumã das Mulheres Xinguanas

EQUIPE

  • Mari Corrêa – direção geral
  • Carmen Silvia Berni – administração
  • Raquel Diniz – edição
  • Fernanda Sindlinger – produção
  • Rodrigo Guim – assessoria de comunicação

COLABORADORES

  • Eloá Chouzal – pesquisadora
  • Osvaldo Gomes – documentalista
  • Tata Amaral – cineasta
  • Tânia Anaya – designer, cineasta
  • Ana Flávia Salles – roteirista
  • Christiane Peres – jornalista

MEMBROS

  • Mari Corrêa – cineasta
  • Cláudia P. Gonçalves – antropóloga
  • Roselis Mazurek – bióloga
  • Rita Bocatto – produtora cultural
  • Kumaré Txicão – realizador e liderança ikpeng
  • Vera Olinda de Paiva – educadora
  • Marcos Wesley de Oliveira – indigenista
  • Mara Vanessa Dutra
  • Marina Kahn
  • Luis Donisete – antropólogo
  • Francisca Arara – professora e liderança Shawãndawa